De: TAF - "A piscina da Sé"

Piscina no Morro da Sé

Há assuntos sobre os quais não consigo deixar de escrever, mesmo que o tempo me falte para tudo... Hoje li no JN que no Morro da Sé, junto ao Mercado de São Sebastião, os moradores tinham comprado e instalado uma piscina insuflável para os miúdos lá brincarem. Lembro que nesta zona não há nenhum parque infantil nem infraestruturas em espaço público para recreio nestas idades. Escreve também o JN:

"Foi a falta de espaços de lazer para os mais novos que levou os moradores a comprarem a piscina insuflável. No Sábado passado, a PSP e a Polícia Municipal acabaram com a diversão, ordenando que a piscina fosse esvaziada. Na origem da acção estiveram denúncias de que a água utilizada seria de uma boca de incêndio. Na mesma altura a Polícia terá aconselhado os moradores a solicitarem uma licença à Câmara para ocupação da via pública com aquele insuflável."

Como é muito perto de minha casa, fui lá agora fotografar o local para ilustrar o post. Eu nem sei que diga... Para quem não conhece a zona, a 200 metros, na outra ponta da rua, existe tráfico de droga em permanência, totalmente às claras. Formam-se frequentemente filas indianas para receber e pagar a dose aos traficantes, à vista de todos até a partir do Terreiro da Sé. Isto não é novidade nenhuma, já em 2010, por exemplo, aqui o referi. Neste espaço convivem, em triste normalidade, pequeno comércio legal tradicional, tascas com idosos, crianças a jogar à bola na rua, drogados que arrastam o corpo estourado em busca do produto, traficantes e larápios que vestem roupas de marca e calçam sapatilhas da moda. E gente como eu, que por lá passa a caminho da Baixa ou de volta para casa.

No Morro da Sé

Tirar as crianças deste contexto, nem que seja afastando-as apenas uns metros, proporcionando-lhes alguma diversão em ambiente mais saudável, não é só positivo: seria uma obrigação da cidade. Nem que fosse apenas por pudor, a autarquia e a Polícia deviam abster-se de incomodar os moradores que, por sua iniciativa, vão tentando remediar como podem. Sugerir-lhes que peçam licença para ocupação do espaço público com uma piscina para miúdos, precisamente aqui onde o espaço público foi tomado de assalto pelo submundo, por resignação ou conivência conforme os casos, já é ter descaramento. Deixem os miúdos em paz! Ou melhor, ajudem e coloquem lá uma pequena equipa de animadores que assegure também a segurança deles na piscina.