De: Paulo V. Araújo - "A CMP enganou-se na sequóia"

Foi notícia de destaque em alguns jornais a morte da sequóia-gigante do Jardim do Carregal, no Porto, e a sua recente substituição por outra árvore (alegadamente) da mesma espécie. A Câmara Municipal do Porto, que tem gerido de forma tão incompetente o património arbóreo da cidade (o problema vem de trás, não é específico desta presidência de Câmara), resolveu montar uma até agora bem sucedida campanha de relações públicas à volta da árvore, a que estudantes de Belas Artes e jornalistas de bom grado se prestaram. Só que a ignorância e a incompetência acabam sempre por denunciar-se. O que a CMP fez plantar em 18 de Março no Jardim do Carregal não foi uma sequóia-gigante mas sim uma sequóia-sempre-verde, árvore que é frequente nos jardins do Porto e de outras cidades portuguesas, e de que no Jardim do Carregal havia já uns vinte exemplares. A distinção entre as duas espécies é muito fácil e é lamentável que nenhum técnico da CMP tenha notado o engano. Ao contrário do que a CMP fez crer e os jornais noticiaram, continuam a ser só duas as sequóias-gigantes na cidade do Porto.

Para um comentário mais detalhado sobre este caso, ilustrado com fotos apropriadas, leia-se o texto nesta página.

Paulo Ventura Araújo